| REFERÊNCIA EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA |

Menu

O que é Radiologia Intervencionista?


A Radiologia Intervencionista é uma especialidade médica que nasceu através da Radiologia diagnóstica quando os radiologistas verificaram a possibilidade de se realizar intervenções cirúrgicas com o auxílio da imagem de Raio-X. Utiliza como base as técnicas de cateterismo realizado na Sala de Hemodinâmica, com a utilização de um equipamento de Raio – X (Angiógrafo) que acontece da seguinte forma: através da punção de um vaso (artéria ou veia), obtém-se acesso ao espaço dentro dos vasos e, por meio de cateteres, sob orientação radiológica, pode-se navegar de forma endovascular e atingir praticamente qualquer segmento do corpo. As imagens obtidas podem ser utilizadas como exame diagnóstico (ex.: angiografia cerebral, arteriografia, flebografia) ou terapêutico (ex.: Angioplastia, Quimioembolização e Embolização de aneurisma) para o tratamento de diversas doenças.
A Radiologia Intervencionista estabelece parceria com outras especialidades médicas como Cirurgia Vascular, Neurocirurgia, Ginecologia, Nefrologia, Oncologia, Pediatria, Cardiologia, Gastroenterologia, Urologia, realizando procedimentos eficazes e seguros que fazem com que cirurgias de grande porte sejam dispensadas. Confere uma recuperação mais rápida, menor risco de infecção, menor tempo de internação permitindo que o paciente volte para suas atividades mais rapidamente, alta taxa de sucesso e resolutividade.
Entre os procedimentos feitos destaca-se o tratamento do aneurisma de aorta e cerebral. No caso do aneurisma de aorta, é colocada uma prótese por acesso realizado na região da virilha, para conter possíveis hemorragias. Já no aneurisma cerebral faz-se a chamada embolização, ou seja, o aneurisma é preenchido com molas impedindo o fluxo de sangue entre o aneurisma, evitando assim sua ruptura. Outros procedimentos comuns na Radiologia Intervencionista são a desobstrução de vasos, implantação de stent e quimioterapia. Além do tratamento dos miomas uterinos.
De acordo com o diretor da ANGIORAD, Dr. Carlos Abath, essa nova forma de tratar e controlar algumas doenças é muito importante e benéfica. “É menos agressiva, menos invasiva e a recuperação é mais rápida”.